segunda-feira, 16 de abril de 2012

17. Capítulo

( Rose ): Se quiserem, eu por mim ficava em casa.
( Lisa ): Como deves calcular, não vamos andar sozinha na cidade no mesmo dia em que chegámos.
( Rose ): Vocês não estão cansadas da viagem e do passei? - perguntei, procurando desculpa para não sair. A minha vontade era nula. - Normalmente as pessoas costumar ficar um pouco cansadas, e costumam relaxar, ficando em casa.
( Marge ): Nós não somos assim, sabes bem. - disse, soltando uma gargalhada. Pois, bem sabia como elas eram ... pessoas mais energéticas que estas não há, pelo menos no meu ponto de vista.
( Allie ): É por causa do Harry que não queres sair? - só de ouvir o nome dele dava-me uns calafrios.
( Rose ): Nada disso, mas é que hoje acordei cedo, passeei, e apenas estou cansada. - respondi.- Não tem nada a ver com vocês.
( Lisa ): Oh, então ... podemos convidar os rapazes? - disse, chegando-se a mim.- O Liam .. talvez?
( Rose ): És muito esperta tu, sim senhor. - levantei-me e peguei no meu telemóvel. - Eu telefono-lhes.
( Lisa ): É por isso que te amo, Rose linda. - disse ela com um enorme sorriso.



Chamada On #


( Rose ): Liam?
( Liam ): Olá Rose! Passa-se alguma coisa?
( Rose ): Nada disso! Só queria saber se vocês iam sair.
( Liam ): Eu vou com o Louis e o Niall, porquê?
( Rose ): É que as meninas queriam sair, mas eu não estou com muita vontade e não podem ir sozinha, por isso pensei em vocês.
( Liam ): E fizeste tu muito bem, Rose. Eu daqui a nada passo por aí com estes dois para as buscar.
( Rose ): Obrigada, Liam.
( Liam ): De nada, eu vou já sair de casa! Até já.



Chamada Off #


( Rose ): Pronto, não se preocupem que o Liam, o Niall e o Louis já vêm aqui buscar-vos. Eles iam sair.
( Lisa ): Yay! Vou estar com eles! - disse, aos pulos. - Desculpem ... é a emoção. - disse, quando reparou que estávamos todas a olhar para ela.



( ... )


As raparigas já se tinham ido há mais ou menos dez minutos. A campainha tocou, e pensei que podia ser uma delas que se tinham esquecido da chaves, mas não. Era o Harry. Mal abri a porta, ele sorriu-me alegremente, o que despertou em mim um sorriso. Digamos que quase tudo o que ele faz é contagiante.


( Harry ): Olá .. - ele parecia nervoso, mas ao mesmo tempo alegre. - Estás boa? - disse-me abraçando.
( Rose ): Olá, Harry. Estou e tu? - disse, retribuindo o abraço.
( Harry ): Agora sim. - disse-me largando.
( Rose ): Passa-se alguma coisa? - perguntei preocupada.
( Harry ): Já não posso visitar a minha namorada? - ele apercebeu-se do que disse e tentou remediar. - A minha amiga, digo.

( Rose ): Claro que podes. - disse, parecendo que não tenha ficado " afectada " com o que ele disse anteriormente.
( Harry ): Não foste sair?
( Rose ): Não  me estava a apetecer. As meninas foram com o Niall, o Liam e o Louis.

( Harry ): Ah, pois é.
( Rose ): Queres beber alguma coisa ? - perguntei. Não sabia o que me estava a acontecer. Parecia que as palavras não me saiam. Nem tema de conversa conseguia arranjar.
( Harry ): Ah, não, não. Estou bem, obrigado. - respondeu. Eu apenas lhe sorri. - Desculpa pela mensagem, acho que não gostaste. - acabou por dizer.
( Rose ): Gostei ... gostei. - disse.- Não sabia o que responder, sabes que ... pronto. Não estou preparada ainda.
( Harry ): Podes-me dizer exactamente o que sentes quando estás comigo?
( Rose ): Sinto-me bem, protegida ... - comecei por dizer. - Quando estou contigo sinto que ninguém me pode fazer mal. Gosto de estar contigo, confio em ti..
( Harry ): Mas? - ele acabou por chegar ao ponto que menos queria esclarecer. Aquela articulador que estraga quase sempre uma frase anteriormente dita. - Sei que há um " mas ", Rose.
( Rose ): És famoso, e sei que isso pode criar vários problemas. Só não quero ser mais uma. Não quero namorar contigo, e no dia seguinte, quando fores a outro país sair nas revistas que arranjaste uma nova conquista. É só isso, Harry.
( Harry ): Rose .. não sou assim. Gosto mesmo muito de ti, e juro que nunca me perdoaria se te magoasse.
( Rose ): Desculpa, Harry ... deixa andar um pouco.
( Harry ): Como queiras. - disse ele levantando-se.- Nunca devia ter vindo aqui.Adeus. - disse ele saindo porta fora.

Não acredito no que tinha acabado de acontecer. Lágrimas formaram-se nos meus olhos e teimaram a sair. Felizmente estava sozinha. Acabei por adormecer.

3 comentários:

  1. Há sempr um "mas". Uma grand verdade!!!

    Adorei!

    <3<3<3

    ResponderEliminar
  2. OneDForever : provavelmente amanhã.
    Nokas Miranda : Infelizmente, é :/

    ResponderEliminar