quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Ups :)

Desculpem ainda não ter actualizado a fic .. mas é que estou com uns problemas familiares e pronto.
Queria divulgar este blog : http://quemamacredita.blogspot.pt/  
Prometo que vão gostar x

domingo, 5 de agosto de 2012

8. Capítulo



Harry.
Desta vez, era eu quem tinha de ir comprar os bilhetes. Iríamos ter um concerto na Suécia dentro de pouco tempo, e estávamos tomos muito entusiamados. Depois de comprar os bilhetes, fui comprar um snack . No entanto, fiquei mais atento à abertura do pacote do que ver para onde andava. De repente, fui contra a alguém.
- Autch! – disse a pessoa contra quem choquei. -  Não vês por onde andas? – disse numa língua que eu não percebia.
- Não percebo o que dizes, mas desculpa. – tentei ser simpático e apanhei as coisas que ela deixou cair.
- Esquece .. também não precisas de saber.– acabou por dizer,em inglês. – Obrigada. – disse, quando lhe dei tudo. " Que simpática " pensei.
                                                                                      ****
Por fim cheguei a casa. Sem o Louis, não é a mesma coisa. Ele tinha ido passar o fim de semana a Doncaster com a irmã e a Ness. Meti a mão no bolso, onde supostamente tinha o telemóvel , para lhe mandar uma mensagem quando reparei que não estava com o meu telemóvel.
- Bolas. Eu preciso do meu telemóvel. Tem lá tudo, o número dos rapazes... Não pode cair nas mãos de qualquer uma pessoa. - estava a falar sozinho. Andei  a procurar em todos os ficheiros se tinha arranjava alguma pista de quem seria o/a dono/a do telemóvel. De repente, sinto o telemóvel a vibrar. Era o meu número! Atendi de imediato.
Chamada On #

( Harry ): Estou? – perguntei de imediato.

( - ): Olha, eu quero o meu telemóvel de volta! Eu preciso dele! – do outro lado do telemóvel ouvia-se uma voz femenina. Era bastante parecida à voz da rapariga do aeroporto.

( Harry ): Aposto que és a rapariga do aeroporto .. eu só descobri agora que tinha o teu telemóvel. Eu também preciso muito do meu, mas acalma-te.

( - ): Pronto, ok. Mas continuo a querer o meu telemóvel. – sim, era mesmo a tal rapariga.

( Harry ): Ok, ok. - disse, para a acalmar . -Encontramo-nos daqui a cinco minutos no Starbucks, sim ?- provavelmente ela saberia onde era.

( - ): Não queria nada voltar a ver-te, mas está bem . - simpatia.

Chamada Off #

Mal desliguei o telemóvel, peguei nas chaves e saí porta fora. Quando cheguei lá, ela ainda não estava. Estava com receio que se tivesse perdido.Ao chegar, vi-o a entrar e fui rapidamente ter com ele. Mal me sentei, senti uma voz atrás de mim.
( - ): Cheguei , e pelos vistos tu também. Dá-me  o telemóvel, que eu dou o teu e nunca mais nos vemos. – era ela. Meteu-me uma certa piada, por isso não consegui conter o riso– E pode-se saber o que mete piada ?
( Harry ): Tem calma, sim ? - pedi.- Eu dou-te o telemóvel, mas quero tomar qualquer coisa. Se não, não teria escolhido o Starbucks. – revirou os olhos. – Eu sou o Harry ! – apresentei-me. Pelos vistos não sabia quem eu era ..  – E tu?
( Cat ): Catarina, mas os meus amigos tratam-me por Cat. – respondeu secamente.
( Harry ): Posso-te chamar Cat? – ela assenti com a cabeça. – Isso quer dizer que somos amigos?
( Cat ): Não. Apenas sei que vocês não sabem dizer bem o meu nome. – acabo de receber o maior corte da minha vida. -Olha, Harry, eu tenho mesmo de ir, estou cansada, eu só quero o meu telemóvel .. e aqui tens o teu. – disse, passado um bocado. – A tua namorada é bonita. – sorri, ela pensava que a minha irmã era a minha namorada.

( Harry ): É a minha irmã . Eu não tenho namorada .. – esclareci.– E aqui tens o teu BlackBerry. Marquei lá o meu número. Sei que vais precisar dele. – riu-se.– Queres que te leve a casa?
( Cat ): Não é preciso, obrigada. – foi-se embora. Será que me vai ligar de volta?



Mias um capítulo :) x

sábado, 28 de julho de 2012

7. Capítulo


Liam.

Hoje era o aniversário da Inês - uma grande amiga minha - . Eu e os rapazes planeámos fazer-lhe uma festa de surpresa, porque sabia que ela ia adorar. Fizemos todos de conta que não nos lembravamos do aniversário dela. Infelizmente o tempo não era o melhor, mas como a festa era dentro de casa, não importava muito. Mal saímos do photoshoot, liguei-lhe para ir ter a minha casa, dando a desculpa de que o meu cão,o Brit, estava estranho. Ela era veterinária, por isso, esta desculpa com ela funcionava bem.
Olhei pela janela e vi que ela já tinha chegado.

( Liam ): Escondem-se todos. Como sabem, quando ela chegar à sala, gritamos todos "parabéns". - os convidados acenaram afirmativamente com a cabeça. - Harry, vai-lhe abrir a porta. - disse, enquanto desligava a luz.

( Todos ): PARABÉNS ! - gritámos todos assim que ela chegou à sala. Notava -se que ela não estava mesmo à espera disto.

( Liam ): Parabéns Inês! – fui ter com ela e abracei-a. – Toma , isto é para ti. – dei-lhe uma pulseira que tinha o símbolo do infinito. - Então .. gostas? - estava com medo que ela não gostasse. Ela assentiu a cabeça com um grande sorriso. - Pensavas que me tinha esquecido?

( Inês ): Para ser franca, sim, pensei. – disse, cabisbaixa.

                                                                         *****
Depois de termos cortado o bolo e dançado, perdi  a Inês de vista. Passado um bocado vi-a com o Louis e com uma cadelinha! Devia ser o presente dos pais. O Louis acabou por ir-se embora, pelo que ouvi, tinha de ir buscar a irmã e a irmã do Zayn à escola. E por falar no Zayn .. esse não está nada bem. Mal a Inês ficou completamente sozinha, fui ter com ela.

( Liam ): Presente dos pais? – perguntei à cerca da cadela. Ela assentiu com a cabeça. Fiz-lhe umas festinhas.

( Inês ): É a Lex .. – disse, com um sorriso. – Vá, vai brincar com o Brit que preciso de falar com o Liam. – disse à Lex.  Assim que ela se foi, a Inês começou a falar.– Liam ..  obrigada, a sério. – sorri. – Não estava mesmo à espera.

( Liam ): Não precisas de agradecer. Eu por ti faço tudo, sabes disso. –  sorri. Ficámos uns minutos a olhar um para o outro. A distância que nos separava era pouca, mas fiz com que acabasse e colei os meus lábios
aos dela.

( Inês ): Hum, pois. – afastou-se. – Eu agora tenho de ir , já se faz tarde, e amanhã trabalho. Mais uma vez, obrigada por tudo. – pegou na Lex e saí de sua casa. Não esperava que isto acontecesse assim .. será que tinha ficado chateada. Porra Liam, só fazes asneiras ...


Isto não é propriamente um capítulo novo, é só o ponto de vista do Liam do aniversário da Inês.
O próximo capítulo vai ser com o ponto de vista do Harry, por isso, já é diferente.
Desculpem pelo atraso, mas a preguiça  ataca-me de uma maneira inexplicável.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

6. Capítulo


Niall.
Levei a Daniela ao estúdio onde estavam o resto da rapaziada. Por acaso, queria mesmo que ela fosse a nossa nova maquilhadora .. penso que os rapazes irão gostar dela.

( Niall ): Bem, eu não sei se és nossa fã, mas sabes os nossos nomes?

( Daniela ): Aquele que usa muitas vezes riscas é o Louis, aquele dos caracóis é o Harry. Depois há aquele que tem  o cabelo mais curto que é o Liam e depois o Zayn que é o da crista .. acertei?

( Niall ): Muito bem, Daniela! – ela sorriu. – Vamos lá conhecê-los ..  – não sei porquê estava nervoso. Como se fosse apresentar a minha namorada ou qualquer coisa do género. – Pessoal! – despertei a atenção deles, mas perdi-a logo, porque eles ficaram olhados a olhar para a Daniela. – É a nossa nova maquilhadora.

( Liam ): O quê? Que foste tu fazer, Niall?

( Niall ): Ela foi despedida e como nós precisamos de maquilhadora, contractei-a. Além disso, nós nem usamos muita maquilhagem. Vá lá malta!

( Zayn ): Eu nem me importo. Ela precisa de emprego, nós precisamos de uma nova maquilhadora. Simples e eficaz.

( Harry ): Não vou comentar a última frase que disseste, Zayn. Mas vá, como te chamas?

( Daniela ): Daniela ! – os rapazes iam apresentar-se, mas ela interrompeu-os. – Escusam de se apresentar, eu sei os vossos nomes.

( Louis ): Pronto, sendo assim, amanhã temos um ensaio e logo depois um photoshoot, estás disponível? – ela assentiu com a cabeça. – Pronto, agora está tudo resolvido.

( Niall ): Nem tudo, temos de tratar do salário ..

( Liam ): Styles, trata disso. – o Harry ficou estupefacto a olhar para ele. – Não podes estar só a engatar raparigas. Elas têm pais, Harold! – os outros só se riam.

( Harry ): Se eu não voltar … digam ao meu gatinho que o adoro.

( Zayn ): Olha vê lá que com nem dez metros podes ser raptado ou assim. – o Harry riu-se e foi ter com o Paul que estava na sala ao lado.

( Louis ): Tu és a rapariga do Nando’s! – assim do nada, saiu-se com esta.

( Daniela ): Também conhecida como Daniela …

( Louis ): Boa cozinheira e engraçada!
                                                                                 *Dia Seguinte *
( Zayn ):  Ness, despacha-te. Não quero chegar atrasado ao ensaio e ainda quero estar um pouco a Jess. – a Jess era a minha  namorada. Nem a minha irmã, nem os meus amigos gostavam dela. Não via razão para tal. – Vá, vamos. – disse, mal a vi descer das escadas. Ao  chegarmos à escola vimos logo a Jess. Esta veio logo ter connosco.

( Jess ): Olá amor! – beijou-me. – Oi. – disse à minha irmã secamente. Elas não se davam mesmo bem. A minha irmã ignorou-a e foi-se embora.

( Zayn ): Não gosto que sejas assim para a Vanessa. – ela fez “ puppy face” – A sério, Jess. Eu gostava imenso que fossem amigas. São das pessoas que mais amo e são assim.

( Jess ): Ó bebé, mas ela também não é a melhor pessoa para mim. – neste momento tocou. – Beijinhos, amor! – beijámo-nos. – Logo vemo-nos?

( Zayn ): Não, é a festa surpresa de uma amiga da banda, desculpa.

( Jess ): A banda?! Zayn, nós não temos estado juntos e sabes porquê? Pela banda, é sempre pela banda.

( Zayn ): Quando começámos eu já era integrante da banda, sabias muito bem o que te esperava. Escusas de ser assim, não achas?

( Jess ): Acabou-se, Zayn. – fiquei estupefacto a olhar para ela. – Adeus.

( Zayn ): Mas Jess .. – ela foi-se embora. Não percebo. Ela nunca tinha reagido assim e além disso, escusava de reagir assim .
Fui para o ensaio que estava combinado para às nove e .. ups, já eram nove e um quarto. Apressei-me. Sabia que o concerto na Nova Zelândia se aproximava e os rapazes queriam ensaiar o máximo . – Desculpem o atraso, malta. – quando cheguei, eles entreolhavam-se.

( Liam ): Estiveste a chorar ? – chegou-se ao pé de mim. – Que se passou, Zayn?

( Zayn ): Ehm, não me apetece falar sobre isso, vamos mas é ensaiar, visto que daqui a uma hora é o photoshoot. – pusemos a música e ensaiámos.


Caso não tenham percebido, o ponto de vista do Niall foi quando ele conheceu a Daniela, e o ponto de vista do Zayn foi no dia seguinte, quando ele levou a irmã à escola e foi os anos da Inês :)
Espero que gostem! x

domingo, 15 de julho de 2012

4.Capítulo


Cat.

Peguei nas minhas malas muito depressa e dirigi-me de táxi até ao aeroporto de Roma. O que mais queria agora era sair desta cidade . A vida era muito monótona aqui, e isso aborrecia-me imenso. Ao chegar ao aeroporto fiz tudo , check – in e depois dirigi-me para a sala de espera à espera que se desse a chamada para o meu voo. Viajar era como se um peso me saísse de cima .. então viajar para Londres era sempre muito melhor . Quando chamaram para o meu voo, levantei-me rapidamente com a tralha toda atrás e dirigi-me para o avião.
                                                                          ****
Após umas horas de viagem, já me encontrava em Londres. Ao pisar o chão londrino, um sorriso formou-se nos meus lábios, mas rapidamente desapareceu.

- Autch! – disse, assim que alguém veio contra mim, fazendo com que tudo o que segurava caísse. -  Não vês por onde andas? – disse, ainda em português.

- Não percebo o que dizes, mas desculpa. – disse um rapaz de cabelos encaracolados. Parecia preocupado. Pegou nas minhas coisas para me dar.

- Esquece .. também não precisas de saber.– disse agora em inglês. – Obrigada. – disse, quando ele me deu tudo. Saí dali o mais depressa possível. Só queria ir para casa.
                                                                      
                                                                        ****
Saí do táxi e fiquei a contemplar a vista perto de minha casa. Tinha um ar tão tranquilo .. era mesmo disso que eu precisava. Abri a porta e subi logo as escadas para pousar as malas. Pulei para cima da cama e fiquei lá uns bons minutos. Decidi ligar aos meus pais para avisar que cheguei, mas não encontrei o telemóvel em lado nenhum. Até que encontrei um iPhone na minha mala .. um iPhone que não era meu. Mexi em todas as teclas para ver se encontrava alguma coisa que desse para ver quem era a/o dona/o. Ao ver o fundo de ecrã, deparei-me com uma foto do rapaz contra quem fui no aeroporto e uma rapariga. Era bonito .. Cala-te Catarina, que estás para aí a dizer? Liga mas é para o teu telemóvel. Digitei o meu número no telemóvel e alguém atendeu imediatamente.

Chamada On #

( - ): Estou? – mal ouvi a voz rouca, soube logo que ele também tinha ficado com o meu telemóvel.

( Cat ): Olha, eu quero o meu telemóvel de volta! Eu preciso dele! – disse, rapidamente.

( - ): Aposto que és a rapariga do aeroporto .. eu só descobri agora que tinha o teu telemóvel. Eu também preciso muito do meu, mas acalma-te.

( Cat ): Pronto, ok. Mas continuo a querer o meu telemóvel. – disse.

( - ): Ok, ok. Encontramo-nos daqui a cinco minutos no Starbucks, sim ?

( Cat ): Não queria nada voltar a ver-te, mas está bem . – desliguei.

Chamada Off #

Despachei-me e fui logo ter ao Starbucks. A sorte dele – e a minha – é que eu conhecia Londres como a palma da minha mão.
Ao chegar, vi-o a entrar e fui rapidamente ter com ele.

( Cat ): Cheguei , e pelos vistos tu também. Dá-me  o telemóvel, que eu dou o teu e nunca mais nos vemos. – ele riu-se. – E pode-se saber o que mete piada ?

( - ): Tem calma, sim ? Eu dou-te o telemóvel, mas quero tomar qualquer coisa. Se não, não teria escolhido o Starbucks. – revirei os olhos. – Eu sou o Harry ! – disse, assim do nada. – E tu?

( Cat ): Catarina, mas os meus amigos tratam-me por Cat. – disse, não com muito interesse na conversa.

( Harry ): Posso-te chamar Cat? – eu assenti com a cabeça. – Isso quer dizer que somos amigos?

( Cat ): Não. Apenas sei que vocês não sabem dizer bem o meu nome. – passado algum tempo, a conversa tornou-se interessante e até gostei de o conhecer .. – Olha, Harry, eu tenho mesmo de ir, estou cansada, eu só quero o meu telemóvel .. e aqui tens o teu. – disse, dando-lhe o telemóvel. – A tua namorada é bonita. – ele sorriu.

( Harry ): É a minha irmã . Eu não tenho namorada .. – disse. – E aqui tens o teu BlackBerry. Marquei lá o meu número. Sei que vais precisar dele. – eu ri-me. – Queres que te leve a casa?

( Cat ): Não é preciso, obrigada. – disse, indo-me embora. Mas o que é que acabou de acontecer?


Aqui está outro capítulo! Está muito estúpido. Já agora, se não perceberam, os três capítulos anteriores aconteceram em dias diferentes, excepto o segundo e o terceiro que aconteceram no mesmo dia. O Harry neste capítulo foi só comprar uma coisa para os próximos capítulos. Ah, e os próximos quatro capítulos vão ser nos pontos de vista dos rapazes. Beijos **

domingo, 8 de julho de 2012

3. Capítulo


Inês.

Hoje era o meu aniversário. Estava à espera de umas mensagens, mas nada … nem do Liam. O Liam é um amigo meu, integrante da banda One Direction. Conheci-o nas audições do X Factor e desde aí falamos frequentemente, por isso é que estranhei o facto dele não me ter mandado nada. Levantei-me da capa um pouco molenga e dirigi-me para a casa de banho para a higiene diária. Quando estava a lavar os dentes, o meu telemóvel apitou e dirigi-me a ele esperando que fosse uma mensagem do Liam. Mas não era … era apenas uma mensagem a dizer que tinha de carregar o telemóvel. É que nem os meus pais me desejaram os parabéns, mas não me surpreende. Eles estão sempre a trabalhar e não têm tempo para mim.
                                                                      
                                                                 *****
Acabei por me vestir e fui à janela. Infelizmente estava a chover, por isso, soube logo que ia passar o dia em casa. Fui ao móvel onde guardo os filmes para escolher um. Fui fazer pipocas e voltei para a sala. Sinceramente não tinha vontade de fazer nada. Acabei por adormecer com tanta moleza que se encontrava dentro de mim.

« I wanna party and bullshit
and party and bullshit
and party and bullshit
and party and party »
 tocava o meu telemóvel.
Foi isso que me acordou. Não vi quem era, pois atendi de imediato.

Chamada On #

( Inês ): Sim ?

( - ): Boa tarde Inês. É o Liam! – afinal não se lembrava mesmo do meu aniversário.

( Inês ): Ah, olá. – estava um pouco triste. – Posso saber porque ligaste?

( Liam ): Mas é claro. Preciso que venhas cá a casa. O Brit não para de ganir e eu preciso que me ajudes, afinal de conta, és veterinária. – sim, eu sou veterinária.

( Inês ): Sim, eu passo já ai. – disse, desligando. Notei que se tinham formado pequenas gotículas de água nos meus olhos. Levantei-me do sofá , arranjei o cabelo e pus-me a caminho.
                                                                  
                                                                        *****
Toquei à campainha e demoraram a atender. Finalmente a porta abriu-se e por detrás dela apareceu o Harry, que com a sua voz rouca me cumprimentou. Mandou-me ir para a sala, mas estava tudo escuro. Quando acendi a luz ..

( Todos ): PARABÉNS! – disseram, mal liguei a luz. Pregaram-me cá um susto.

( Liam ): Parabéns Inês! – disse, vindo ter comigo abraçando-me. – Toma , isto é para ti. – deu-me uma caixinha pequena. Mal a abri , vi uma pulseira linda que tinha o símbolo do infinito. – Então .. gostas ?- ele parecia preocupado. Eu assenti com a cabeça e abracei-o de imediato. – Pensavas que me tinha esquecido?

( Inês ): Para ser franca, sim, pensei. – disse, cabisbaixa.

                                                              *****
Após me terem dado os parabéns e cortado o bolo, dançámos um bocado. Tinha de admitir que o Liam surpreendia-me cada vez mais. Sentei-me num dos sofás da mansão onde vivia o Liam, um pouco cansada. Senti alguém tocar-me no ombro.

( -- ): Parabéns. – disseram. Eram o meu pai. – Desculpa não termos vindo mais cedo, mas não pudemos. – ele e a minha mãe abraçaram-me de imediato.

( Inês ): Obrigada. – os momentos de família raramente aconteciam.

( Mãe ): Aqui está o teu presente. – disse. Trazia-o escondido num pequeno casaco. Mal tirei o casaco do meu suposto presente, surpreendi-me bastante. Era uma cadela!

( Inês ): Ai adoro! – disse, abraçando os meus pais. – Irei chamar-lhe Lex. – os meus pais sorriram e foram ter com os outros convidados . Apesar de tudo, eu adorava-os.

( Louis ): Inês, mais uma vez parabéns! Eu agora tenho de ir buscar a Alice e a Ness à escola, visto que vamos passar o fim de semana a Doncaster. Peço imensa desculpa, não poder ficar até mais tarde. – disse, vindo ter comigo. – Ah, e já agora, quem é esta linda menina? – estava a referir-se a Lex.

( Inês ): Não faz mal, Lou. Obrigada por teres estado aqui, e esta menina é a Lex, a minha nova companheira. –  o Louis fez-lhe umas festinhas. – Agora vai lá buscar as duas meninas. – ele deu-me beijo na testa e foi-se.

Voltei-me a sentar no sofá a contemplar a minha nova companheira. Era mesmo linda. De repente senti alguém a sentar-se no sofá.

( Liam ): Presente dos pais? – eu assenti com a cabeça. Ele fez-lhe umas festinhas. Tinha mesmo jeito para cães.

( Inês ): É a Lex .. – disse, com um sorriso. – Vá, vai brincar com o Brit que preciso de falar com o Liam. – disse à Lex. Assim que ela se foi, comecei a falar com ele. – Liam ..  obrigada, a sério. – ele sorriu. – Não estava mesmo à espera.

( Liam ): Não precisas de agradecer. Eu por ti faço tudo, sabes disso. – eu sorri. Ficámos uns minutos a olhar um para o outro. A distância que nos separava era pouca, mas ele fez com que acabasse e colou os seus lábios aos meus.

( Inês ): Hum, pois. – disse, afastando-me dele. – Eu agora tenho de ir , já se faz tarde, e amanhã trabalho. Mais uma vez, obrigada por tudo. – peguei na Lex e saí de sua casa. Não esperava que isto acontecesse assim ..

Espero que tenham gostado. Acho que não está assim tão bom ... Deixem as vossas opiniões! 
Beijinhos, mother fuckers! 

terça-feira, 3 de julho de 2012

2. Capítulo






Vanessa.


Tinha mais um dia de aulas pela frente, coisa que não me animava nem um pouco. Era todos os dias as mesmas pessoas, as mesmas coisas …  Estava a acabar de me arranjar quando o Zayn me chamou. Ele era um dos cinco integrantes de uma das bandas mais famosas do Reino Unido e, era um excelente irmão.

( Zayn ): Ness, despacha-te. Não quero chegar atrasado ao ensaio e ainda quero estar um pouco a Jess. – a Jess era a namorada dele, infelizmente. Nunca tinha visto uma espécie humana tão horrível como ela. Só o meu irmão é que não via o tipo de pessoa que ela era e continuava a namorar com ela. – Vá, vamos. – disse, mal eu desci. Ao chegarmos à escola vimos logo a Jess. Esta veio logo ter connosco.

( Jess ): Olá amor! – disse, beijando o meu irmão como se não houvesse amanhã. Que nojo me metia. – Oi. – disse-me com o maior desprezo do mundo. Eu não respondi e fui ter com a Alice, que estava a mexer no seu cacifo.

( Vanessa ): Bom dia. – disse “ animadamente”. Ela lançou-me um sorriso, mas o seu olhar virou-se para a Jess que ainda estava com o meu irmão. A Alice gostava dele há um bom tempo. Custava-me muito vê-la triste por causa dele. – Não olhes para eles que ainda ficas pior, Alice …

( Alice ): Só não percebo  .. o que é que ele vê nela? Não vê o monstro que ela é? – disse, pondo alguns livros no cacifo. – Ah, Ness – disse, fazendo com que lhe prestasse atenção. – a minha mãe perguntou se queres passar lá o fim-de-semana comigo . O Louis não deve lá estar e sei que isso te deixa mais à vontade. – ela e o Louis, integrante da banda do meu irmão, eram irmãos e eu gostava imenso dele. Eles eram de Doncaster e só a Alice e ele é que tinham vindo para Londres, assim como eu e o Zayn.

( Vanessa ): Tenho de perguntar ao Zayn … mas aposto que ele deixa. – ela sorriu com a minha afirmação. – Posso-te perguntar uma coisa? – ela assentiu com a cabeça e quando eu ia falar tocou para entrada. Tivemos de ir logo a correr para a sala porque com a Mrs. Bean não se pode chegar atrasada, se não temos de ouvir um sermão de meia hora.
                     
                                                                       *******
A aula da Mrs. Bean era a única da manhã, depois só tínhamos aulas à tarde. Fomos ao bar comer qualquer coisa e sentámo-nos nos bancos .

( Alice ): Que me querias perguntar há pouco? – sinceramente nem me lembrava, por isso encolhi os ombros e ela riu-se. – Lá está a Jess a armar-se. – eu virei-me para ver o que ela estava a fazer desta vez. Ela estava a dançar. Para ser honesta, ela dançava mesmo muito bem.  - Deve estar a treinar para o concurso de talentos que vai haver no fim do mês.

( Vanessa ): Tu devias entrar também. – ela ficou a olhar seriamente para mim. – Também danças mesmo muito bem! -  a cara de espanto dela era demasiado hilariante.

( Alice ): Estás a brincar, certo? Sabes perfeitamente que não consigo dançar à frente de imensa gente, Ness ... e além disso, nem danço assim tão bem. - agora quem estava espantada era eu,

( Vanessa ): És mesmo teimosa, Alice, irra. - disse, acabando por me rir e ela também.

( Alice ): Estão a ligar-me. - disse, pegando no seu telemóvel. - Ah, é o chato do Louis. - só de ouvir o nome dele, já tremia.  - Sim ? - disse quando atendeu. - Sim, Louis, ela vai. - estariam a falar de quem? - Ok, eu digo-lhe, beijos. - disse, desligando. Nem foi preciso dizer que queria saber sobre o que é que eles estavam a falar, visto que ela já sabia. - Afinal o Louis vai passar o fim-de-semana connosco .. - nem sei se isso era bom ao mau. - Vê o lado positivo, dois dias com ele. - sim, isso era a parte boa, mas normalmente quando falo com ele, a minha cara decide tornar-se num tomate. - Não fiques assim, Ness. - disse, rindo-se.- Olha, tenho de ir à biblioteca buscar um livro, vens comigo? - eu assenti com a cabeça e lá fomos.


Aqui está mais um capítulo, yeeey :) Queria pedir que deixassem as vossas opiniões. Adorava conseguir chegar aos "20 "gostei bastante". Ah, e não continuem a perguntar se podem ser namoradas de um deles, já estão as cinco escolhidas.
Beijinhos***

domingo, 1 de julho de 2012

1. Capítulo


Daniela.

Hoje o dia aqui no trabalho estava a ser um pouco complicado, mas não pelo facto de o restaurante estar cheio, porque não estava. Antes pelo contrário, cada vez vinha cá menos gente e isso fez com que o Neil, o patrão do Nando's , despedisse algum pessoal. Eu estava incluída, infelizmente. Que ia ser de mim agora? Precisava de um emprego para pagar o apartamente e essas coisas. Saí do restaurante, com lágrimas a escorrem-me dos olhos até que vou contra alguém.

( - ) : Desculpa, não te tinha visto. - disse  o rapaz contra quem eu tinha ido. Tinha os olhos da cor do mar, os seus cabelos eram loiros, mas conseguia ver que também tinha umas pequenas meixas castanhas. Eu conhecia-lo de algum lado. Ah, é o rapaz que vinha aqui frequentemente com uns amigos. - Está tudo bem? - perguntou mal viu que eu estava a chorar. Eu neguei com a cabeça. - Que se passa ? - eu suspirei e acabei por dizer.

( Daniela ): Temos tido poucos clientes. Isso fez com que o nosso patrão despedisse algumas pessoas e, infelizmente, eu não fui excepção. - ele ouvia-me com atenção. - O problema é que eu nem sou de cá e mudei-me há pouco e tenho de pagar o apartamento e essas coisas essenciais. Tenho umas amigas, mas não lhe vou estar a pedir dinheiro para isso.

( - ): Bem ... agora que falas nisso, sabes maquilhar? Isto é, se trabalhas bem com a maquilhagem ... - eu assenti com a cabeça. - Pronto, já tens emprego! - eu olhava para ele meia confusa. - Nós precisamos de uma maquilhadora nova, a nossa antiga despediu-se devido a uns assuntos seus. Por isso, se quiseres, eu falo com o pessoal e consegues o emprego. - eu olhava para ele incrédula. - Então, que me dizes?

( Daniela ): Estás a gozar, certo ? - ele negou com a cabeça. - A sério que me contractam? - ele assentiu com a cabeça. - Ai, obrigada! - abracei-o com o impulso. - Desculpa .. - ele sorriu. - Já agora .. porque é que estás a ser tão generoso comigo .. nem me conheces.

( - ) : Já te vi no Nando's algumas vezes quando venho cá com os rapazes ... e além disso, quero mesmo ajudar-te. Já agora, eu sou o Niall e tu ? - perguntou com um grande sorriso.

( Daniela ): Daniela. - respondi. Ficámos os dois a  olhar um para o outro, até que eu interrompi o silêncio que se tinha instalado entre nós. - Hum, mais uma coisa, não tenho de fazer uma entrevista antes? 

( Niall ): Não, não é preciso. - sorriu. - Além disso, não usamos muita maquilhagem por isso ... Estás a ver aquele estúdio ali à frente? - apontou para um estúdio . Eu assenti com a cabeça. - Eu ia para lá, para acabarmos o nosso segundo álbum. Os outros já devem lá estar. Queres vir? Assim já conhecias o pessoal. - eu assenti com a cabeça. - Boa, então vamos. -nem dez minutos demorámos. Estava bastante nervosa ... e se eles não gostassem de mim? Provavelmente iria ficar desempregada o resto da minha vida ..


Peço imensa desculpa por estar tão pequenino, mas ... com dois dedos partidos é difícil escrever .. Vá, espero que gostem e gostaria de saber a vossa opinião.

sábado, 30 de junho de 2012

Louis/Harry

Só faltam a namorada destes dois :p Comentem para eu por o primeiro capítulo da fic! :) Já agora, querem que ele sejam famosos ou não?

Namoros.

Ok, a namorada do Zayn e do Liam já estão escolhidas ( Anónimo/Laura : terás de escolher outro rapaz, sim? ), por isso, comentem para ser a namorada do Louis, Liam e Harry! x

Não me matem.

Olá! Bem, o que me traz aqui hoje não é o melhor. Infelizmente vou ter de acabar com a fic porque sinceramente não sei o que vai ser dela depois de todos começarem a namorar .. Vou começar uma nova ! Por isso queria que comentassem este post a dizer - me o vosso nome e com quem gostavam de namorar. Por exemplo " Chamo-me Maria e quero ser a namorada do Louis" tipo isso, por isso, despacham-se :) 

sexta-feira, 22 de junho de 2012

30. Capítulo.


( Harry )
Estava a sentir-me a pior pessoa deste mundo. Eu só fiz aquilo para que ela não fosse muito exposta, mas ela não percebia isso. O Louis veio ter comigo com a sua normal alegria, porém , essa não me contagiou.

( Louis ): Então, Harry? Que tens?  - disse, sentando-se em cima de mim.

( Harry ): Acabou-se .. - disse, cabisbaixo. Olhou confuso para mim. - Eu e a Rose, e não perguntes o motivo.

( Louis ): Harry .. - disse, ajeitando-se no sofá. - Conta-me tim tim por tim tim o que se passou, ou serei obrigado a falar com ela. - eu bufei. - Vá, conta.

( Harry ): Encontrei uma antiga colega e , obviamente, cumprimentei-a. O problema é que quando apresentei a Rose, apresentei-a como uma " amiga " porque não queria que ela fosse muito exposta. O pior é que a Rose não entende isso, e deve pensar que já nem gosto dela ou assim.

( Louis ): Isso vai passar. Queres que fale com ela? - acenei negativamente com a cabeça. - Ah, então vão ficar assim para sempre? - eu não respondi. - Vocês são tão tolinhos. - disse, com um pequeno sorriso. - Olha, ela vai acabar por esquecer isso.

( Harry ): Não Louis, as raparigas têm uma grande memória, ela nunca se vai esquecer do que lhe fiz. - ele
riu-se. - Mas tu estás a rir-te do quê?

( Louis ): De nada, de nada. Falas como se lhe tivesses feito a pior coisa do mundo. Ok, não foi bonito, mas há coisas muito pior. Não a traíste nem nada disso.

( Harry ): Nem nunca a vou trair. Amo a Rose com todo o meu coração. - o Louis começou a olhar para outro lado a sorrir. - Mas tu importas de me prestar atenção.

( Rose ): Ele estava a prestar-te atenção e eu também .. - quando me virei para ver quem tinha dito aquilo o meu batimento cardíaco acelerou bastante. O Louis levantou-se e foi para cima. A Rose sentou-se a meu lado. - Ó Harry ..

( Marge )
Estava no meu quarto sozinha, porque a Allie estava a falar ao telemóvel com o Niall. De repente a porta abre-se .

( Marge ): Então? Já falaste tudo com o teu amorzinho? - disse, pensando que era a Allie.

( Louis ): A Rose está agora a falar com ele. Espero que se entendam. - afinal era o Louis, mas nem queria explicar que estava a falar da Allie e do Niall. 

( Marge ): Sim, mas eu ainda nem sei o que se passou ... - ele sentou-se na cama. - Tu sabes? - ele assentiu com a cabeça. - Então conta! Estás à espera do quê?

( Louis ): Nem me vou dar ao trabalho de te contar o que aconteceu, visto que eles já estão a falar. Aposto que eles vão resolver tudo, por isso .. - eu revirei os olhos. - E tu? Que estavas aqui sozinha a fazer?

( Marge ): Supostamente estava a falar com a Allie, mas de repente o Niall ligou-lhe e ela foi logo a correr para o seu quarto, enfim.

( Louis ): Esses dois vão namorar .. - disse, com um sorriso matreiro. - E tu? Tens namorado? -  acenei negativamente com a cabeça. - Não brinques, Marge. Aposto que uma rapariga como tu deve ter imensos pretendentes, certo? - eu neguei. De repente um cheiro estranho entrou pelo nosso quarto.

( Marge ): O estufado! - disse, levantando-me indo para a cozinha. - Pronto, lá se foi o nosso almoço.

( Louis ): Podemos sempre ir comer fora, que me dizes? - eu gostei da ideia, por isso, assenti com a cabeça. - Ótimo! Vai lá cima buscar o que precisas que eu vou fazer uma sandes rápida àqueles dois na sala. - disse, indo para a cozinha.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

29. Capítulo


( Lisa )

( Rose ): Que chatos! Já disse que não quero comer nada. - nenhum de nós respondeu. - São mesmo maus, vocês.

(Louis ): Só não queremos que te aconteça aquilo de novo, tontinha. - ela revirou os olhos. - Tu não me revires os olhos, Rose Styles! Ah, e por falar em Styles, onde está o meu Harry? - ela apontou para a sala. - Tenho saudades dos momentos Larry Stylinson, por isso, já volto . - disse, saíndo da cozinha.

( Marge ): Está tudo bem entre ti e o Harry, Rose? - perguntei preocupada. Ela acenou negativamente a cabeça. - Então? Conta.

( Rose ): Acabámos. - ficámos as três boquiabertas. - E antes que perguntem o porquê, só tenho a dizer que não me apetece falar no assunto.

( Lisa ): Ahhh, estão  a ligar-me. - disse, quando senti o telemóvel a vibrar. - É o Liam. - disse, atendendo de imediato. - Olá Liam! - disse com um enorme sorriso. - Ah, sim, claro. Passas por aqui? - respondi quando ele perguntou se queria ir almoçar com ele. - Então até  já! - despedi-me, desligando a chamada de seguida. - Bem meninas, hoje não almoço cá!

( Allie ): Lá vão os pombinhos almoçar juntos. - disse, fazendo-me corar. - Ahaha, está a corar. - disse, quando notou que corei.

( Lisa ): Vai ter com o Niall, Allie. Depois falamos que agora tenho de me ir preparar. - disse, saltando como uma tonta até ao quarto.

( Liam )

Hoje vou dizer à Lisa tudo o que sinto por ela. Estou muito nervoso. Sei que ela gosta de mim, mas tenho medo que só queira ser minha amiga por causa da mudança que a vida dela irá ter se começar a namorar comigo. Vai ser hoje, durante o nosso almoço, que a minha vida pode mudar tanto para pior como para melhor. Os minutos que demoravam para que pudesse ir buscá-la pareciam horas. Não aguentando mais, saí logo de casa, com a esperança de que ela já estivesse pronta. Ao chegar, quem me abriu a porta foi a Rose.

( Liam ): Olá Rose! - disse, quando vi que era ela. - Bem, estás cá com uma cara ...

( Rose ): Nem me digas nada, Liam. Mas vieste aqui buscar a Lisa, verdade? - assenti com a cabeça. - LISA, DESCE QUE O LIAM JÁ CHEGOU! - gritou, assuntando-me um pouco. - Pronto, ela já desce.

( Lisa ): Aqui estou eu. - disse, descendo. - Ah, e já agora Rose, tens cá umas golas, vou-te contar. - disse, fazendo-me rir. - Vá, até logo. - disse, fechando a porta por trás de si. - Vamos?

( Liam ): Deixa-me dizer-te que estás muito linda, Lisa. Quer dizer, estás sempre! - ela corou. - Não é preciso corares. - disse, rindo-me um pouco. O caminho até ao restaurante foi animado. Ela diz cada disparate ... mas vindo dela, são perfeitos.  - Lisa, tenho algo para te contar. - disse, obtendo a atenção dela. - O que eu vou dizer não chega nem a sequer a metade do sentimento que foi criado pelo meu coração por ti. Sinto a tua falta quando tu não estás comigo. Sabes os teus abraços? - ela assentiu com cabeça. - Eu preciso deles todos os dias, a toda a hora! - ela ouvia-me com atenção. - Eu quero poder-te chamar de " namorada", a minha namorada. - ela não disse nada, deixando-me assustado. - Lisa, não dizes nada? - e num abrir e fechar de olhos, os seus lábio estavam colados aos meus. Descolei os meus lábios dos seus, devido a falta de fôlego. Estava muito feliz agora. - Amo-te mesmo muito, Lisa. - ela sorriu e entrámos no restaurante com as mãos dadas.

domingo, 10 de junho de 2012

28. Capítulo


                                                                          ********
Mal chegou a ambulância o Harry meteu-se lá dentro seguindo para o hospital. Eu liguei de imediato ao Louis para nos levar lá, visto que não tínhamos carro. Quando este chegou fomos rapidamente para o hospital, um pouco preocupados. Avistámos o Harry sentados num daqueles bancos azuis que o hospital possuía. Ele estava preocupado, talvez sem notícias.


(Allie ): Então, nada? - perguntou, sentando-se ao pé dele. - Tens a certeza que está tudo bem entre vocês? 


( Harry ): Ontem encontrei uma amiga e ela do nada foi para casa. Foi só isso que aconteceu, por isso é que não percebo o porquê de ainda não te me ter atendido as chamadas. 


( Louis ): Tu às vezes fazes as coisas e nem dás conta ... - o Harry nem respondeu. - Vais ver como ela está bem! Olha, já vem aí o doutor. - disse, quando o médico se aproximava de nós. - Diga-nos doutor, como está ela?


( Médico ): Ela está bem. Teve só uma quebra de tensão, provavelmente não come há algum tempo, por isso, quando ela for para casa, têm de lhe dar de comer, para não acontecer de novo. - nós ouvíamos atentamente a todas as palavras que saiam da boca do médico. - Ela está lá dentro a comer uma sandes, daqui a nada já vai para casa.


( Marge ): Isso quer dizer que ela sai hoje daqui? - o médico assentiu com a cabeça. - Ah, graças a Deus! - disse, sentando-me. O médico tinha-se ido embora. 


( Lisa ): Mas o que raio lhe passou pela cabeça para ela não comer nada? A rapariga anda maluca. 


( Louis ): Deve ser daquelas dietas malucas que vocês raparigas têm. Aquelas em que deixam de comer para emagrecer e depois ainda ficam piores.


( Allie ): Não acho que tenha sido isso. A Rose não liga a isso das dietas, e , além disso, quando ela sair do quarto veremos o porquê de ela não ter comido. E tu Harry? - o Harry ficou a olhar para ela. -  Já comeste alguma coisa? - ele acenou negativamente com a cabeça.


( Marge ): Então vais comer. - ela foi à maquina que havia lá. - Come estas bolachas, se não ainda te acontece o mesmo que aconteceu com a Rose e não queres isso, de certeza. - ele pegou nas bolachas e começou a comer mas rapidamente as largou mal viu a Rose a sair do quarto. - Rose! - disse, indo abraça-la. - Estás bem, amiga? - ela assentiu com a cabeça.


( Louis ): Porque não comeste? - disse, indo ter com ela. - Pregaste-nos um grande susto! 


( Rose ): Não me apetecia comer ... - disse, ela parecia fraca. - Podemos ir para casa ? - nós assentímos com a cabeça e fomos para casa no carro do Louis. 


                                                                            **********
( Harry ) 


( Lisa ): O médico disse que tinhas de comer, por isso vamos para a cozinha preparar-te uma manjar. - ela revirou os olhos. - E não te atrevas a dizer " não. " - mal foram para a cozinha decidi falar com ela.


( Harry ): Rose? - ela não olhava para mim. - Porque não me falas, amor ? Nem me atendeste às chamadas, preocupaste-me bastante.


( Rose ): Vai ter com a Anne, Harry. E já agora, não te esqueças de dizer que só somos amigos, mais uma vez. - disse, nunca mantendo contacto visual comigo.


( Harry ): É por isso que estás assim ? - ela não respondeu. - Eu só disse que eras minha amiga para não te expor ainda mais à fama. Não quero que sejas abordada sempre que saíres à rua.


( Rose ): Eu não quero saber disso! Eu só quero estar contigo, ou melhor, queria.


( Harry ): Já não queres? - estava com receio da sua resposta.


( Rose ): Acabou-se Harry. - eu ainda tentei falar. - Deixa-me. - disse, levantando-se para ir ter com os outros. Foram como se me espetassem facas no coração.

sábado, 9 de junho de 2012

1st Selo :9



Regras:
Done (: 

-Dizer pelo menos 1 facto sobre si
O rapaz que menos gosto  nos 1D é o Harry.

-Enviar a 5 pessoas
Não me façam isto :o 

sexta-feira, 1 de junho de 2012

27. Capítulo


( Rose )
No dia seguinte, eu e o Harry fomos dar uma volta por esta linda cidade que tanto me fascinava. Cada vez, estava mais feliz com o facto de ter vindo para aqui e com o facto de ter conhecido o Harry. Umas das melhores escolhas que fiz em toda a minha vida. 


( Harry ): Anne! - disse, abraçando uma rapariga que não conhecia. - Não acredito que és mesmo tu. - ele parecia fascinado com a rapariga. - Rose, esta é a Anne. Uma colega antiga. - disse, com um enorme sorriso. A Anne disse-me um olá, ao qual eu retribuí. - Não posso crer que te estou a ver novamente. Olha como tu estás! Ainda namoras com o Paul ? - ele parecia uma daquelas senhoras idosas que nos perguntam por tudo e mais alguma coisa. - Ah, esta é a Rose, uma amiga minha. - o meu mundo foi-se abaixo quando ele me apresentou como uma amiga sua. Estaria a gozar com a minha cara ? Se calhar nem passava de um pequeno brinquedo para ele. Fui-me  embora. Ignorei os dois. Ainda não acredito que ele me apresentou com uma mera amiga. Que eu saiba namoramos. Fui para casa e fechei-me no meu quarto. As lágrimas teimavam em sair até que adormeci. Quando acordei já era quase hora do lanche. Fui ao telemóvel, quando vi que o Harry me tinha ligado três vezes e tinha deixado duas mensagens de voice-mail.


« Então, amor? Que aconteceu para saíres dessa maneira de ao pé de mim e da Anne ? Nem me atendes as chamadas. »


« Estas a assustar-me, Rose. Fiz alguma coisa de errado ? Sabes que te amo muito. ». Após ouvir as mensagens, atirei o telemóvel para o chão, devido à raiva que se apoderava de mim. Ainda tinha a lata de me chamar amor e dizer que me ama muito, quando me apresenta a uma antiga colega dele como uma amiga insignificante. Não podia estar pior. Várias sensaçãoes apoderavam-se de mim. Sentia-me tão mal. Não comi o resto do dia. Os outros, pelo que me explicou a Lisa, iriam ficar no apartamento do Liam esta noite. Menos uma preocupação, não queria que me vissem assim. Fui para a sala ver um pouco de televisão, quando alguém toca à campainha. Ia abrir, mas de repente ouço a voz do Harry. 


( Harry ): Rose, amor ? Eu sei que não foste com os outros. O que se passa? Porque não falas comigo ? - sentei-me novamente no sofá. Não queria falar com ele depois de hoje. Não lhe queria olhar para a cara.
                                                                    ***** 
Passou-se um dia. Os outros continuavam no apartamente do Liam, ou seja, ainda estou sozinha. Peguei no telemóvel e tinha 11 chamadas não atendidas do Harry. Nem me dei ao trabalho de lhe ligar de volta. Estava fraca, não comia nada desde ontem. Quando ia a cozinha buscar qualquer coisa para comer, sinto-me a cair, dando uma leve pancada na cabeça. Tinha desmaiado.


( Marge )


Regressámos do apartamento do Liam, quando nós, as raparigas, vimos o Harry a dormir à porta da casa da Rose. O que é que se teria passado ?


( Marge ): Harry! - disse, empurrando-o para ele acordar. - Estas a ouvir-me? 


( Allie ): O que raios estará  ele aqui a fazer?  E a Rose? 


( Harry ): Ah ... o quê? - disse, a acordar. - Já é de manhã?! - perguntou mais desperto.


( Lisa ): Sim, é! Mas tu passaste cá a noite? Passou-se algo entre ti e a Rose? - ele levantou-se e ajeitou o cabelo. - Então, não respondes?


( Harry ): Isso é o que eu queria saber. Não me atende às chamadas desde ontem, estou preocupado.


( Marge ): Vamos já falar com ela. - disse, enquanto enfiava a chave na fechadura. - Rose! - disse, indo a correr até ela. Ela estava estendida no chão, provavelmente inconsciente. - Precisa de ir para o hospital, depressa! - só vi o Harry muito preocupado a pegar no telemóvel e a ligar para nos trazerem uma ambulância. 

sexta-feira, 25 de maio de 2012

26. Capítulo.


( Harry )

( Harry ): És perfeita, Rose. - disse, quando acordámos após o nosso momento mágico. - Amo-te mesmo muito. - ela sorriu com a minha afirmação.

( Rose ): Já te disse o que tinha a dizer. - disse, abraçando-me. - Fico contente que tenha sido contigo, Harold. - fiquei mesmo feliz. - Quero ficar contigo, para sempre! - disse, dando ênfase no " para sempre" . Ficámos os dois agarradinhos até que o meu estômago decide interromper-nos. Roncou.

( Harry ): Acho melhor irmos jantar ou assim. - disse, rindo-me. - O meu estômago não gosta de esperar. - ela levantou-se e fez-me sinal para ficar deitado. Passado alguns minutos voltou com um tabuleiro, umas torradas e bebibas.

( Rose ): Sempre imaginei que fosse o meu namorado a fazer isto, e que fosse ao pequeno almoço, mas não importa. - disse, sentando-se ao pé de mim.

( Harry ): Oh, Rose! Era esse o meu plano. Estragaste tudo. - disse, com cara séria. Ela ficou assustada. - Estou a brincar, amor. E não importava mesmo que fosse a comida mais simples do mundo, que desde que seja feita por ti, já é " especial." - ela sorriu e começámos a comer. Sou mesmo feliz com ela.

( Allie )
Mal chegámos a casa, demos conta de que algo aconteceu. Havia roupas espalhadas por toda a casa. Não nos custou muito a chegar a uma conclusão.

( Louis ): Os malandros. Nunca pensei que o Harry me fosse trair.


( Marge ): Não te preocupes, totó. Ele continua a sentir o mesmo por ti. - brincava.
( Allie ): Será que os restantes já chegaram ? - perguntei, curiosa. A verdade é que queria estar mais um pouqinho com o Niall.

( Louis ): Agora sim. - disse, olhando para a porta pela qual o Liam, o Niall e a Lisa entraram. - Sejam bem aparecidos. Que estiveram os meninos a fazer?

( Lisa ): Não sejas parvo, Louis. - disse, a rir-se. - Allie, preciso de falar contigo. - O quê? Agora? O Niall chegou agora e queria estar com ele. - Pode ser

( Allie ): Sim, claro. - tentei não mostrar o meu descontentamente perante tal situação. - Vamos lá para  cima.
                                                                   *****
( Allie ): Que me querias dizer? - sentei-me no puff que tina no meu quarto. - Espero que seja importante.

( Lisa ): Sim, é! - ela parecia animada. - Acho que vais gostar tanto como eu.


( Allie ): Desembucha, Lisa! - agora estava bastante curiosa.

( Lisa ): Tipo, eu adormeci no autocarro, mas quando acordei, o Liam e o Niall estavam a falar de mim, então fiquei a ouvir a conversa.

( Allie ): Isso não se faz, Lisa Maria!

( Lisa ): Shiu. A vontade para tal foi maior que eu. - revirei os olhos. - Mas continuando, o Liam ... pelo que percebi, gosta de mim. - ela disse isto com o maior sorriso do mundo.

( Allie ): E onde está a novidade? - ela olhou para mim confusa. - Toda a gente sabem que gostam um do outro.

( Lisa ): Espera, ainda não acabou. - eu não disse nada. - Tu também foste tema de conversa.

( Allie ): Eu? Eu, porquê? - não percebi nada.

( Lisa ): O Niall .. - tudo nele era perfeito, até o nome.

( Allie ): O que tem o Niall ? - o meu coração começou a bater mais rápido que o normal. - Lisa?!

( Lisa ): Ele disse que não tem problemas em admitir que gosta de ti, mas que por enquanto, não lhe roubaste o coração de todo.  - por uma até gostei de ouvir aquilo, mas é que gostei mesmo.

( Allie ): Nem sei o que dizer, Lisa. Mas não quero falar nisso agora, e não voltes a ouvir as conversas dos outros. - levantei-me.

( Lisa ): Até parece que não gostaste. - revirei os olhos e desci.

sábado, 12 de maio de 2012

25. Capítulo


Estou novamente de volta a Londres. Até tenho saudades do tempo aqui, sempre chuvoso que dava vontade de ficar em casa a ver um filme, mas agora tenho mais com que me entreter, ou melhor “alguém”. O Harry foi o único rapaz até agora me despertou aquelas lindas borboletas no estômago. Ele era simplesmente perfeito. Os olhos, o sorriso, o cabelo, a personalidade. Não consigo encontrar defeitos nele, mas mesmo que conseguisse, aposto que o amaria da mesma maneira como agora.

( Harry ): Está tudo bem ? – perguntou-me, interrompendo os meus pensamentos. Eu apenas assenti com a cabeça.

( Rose ): Harry ? – disse, despertando a sua atenção. Os seus olhos esverdeados hipnotizava-me completamente. – És perfeito. – acabei por dizer, depois de uma pausa. – Amo-te mesmo muito. – ele sorriu de imediato, formando aquelas covinhas que me fascinavam.

( Harry ): Eu também te amo. Muito mesmo, acredita. – disse, aproximando-se de mim para me beijar. Cada vez que ele me beijava despertava em mim óptimas sensações, nunca antes sentidas. Eu sorri, deitando a minha cabeça no seu ombro. – Sabes o que me apetece fazer? – perguntou-me. Eu apenas acenei que não com a cabeça. – Dar um mergulho, alinhas ?

( Rose ): Sabes que não gosto que me vejam de fato de banho, Harold. – o sorriso dele desapareceu. – Além disso, podes ir tu. Eu fico a ver-te.

( Harry ): Oh, vem comigo. Ficas perfeita de qualquer maneira, amor. – corava sempre que ele me chamava de  “ amor “. – E se for só eu, não mete piada. – ele aproximou-se mais de mim, fazendo beicinho. Odeio quando ele faz aquilo, já sabe que não resisto.

( Rose ): Já sabes o meu ponto fraco, parabéns, Harry. – disse, levantando-me. – Vou só lá cima. – ouvi  a sua pequena gargalhada. – Posso bem mudar de ideias. – ele calou-se de imediato.
                                                                          ****

( Rose ): Porque me olhas assim ? – perguntei mal desci as escadas. Ele estava com um sorriso maroto.

( Harry ): O amarelo fica-te bem, mesmo muito bem. – aproximou-se de mim. – Dá-te um toque mais … sexy! – acabei por beijá-lo.

( Rose ): Pois, aposto que sim. – disse, ironicamente. – Só uma coisa … - disse, olhando para baixo. – Acho que não precisas desses calções. – ele rapidamente os tirou, mas tive uma pequena “ surpresa”. – Pensei que só tinhas os calções. – disse, baixando-lhe os boxers.

( Harry ): Ai a menina quer festa? – eu olhei para ele, soltando uma pequena gargalhada. – Então é festa que a menina vai ter. – ele rapidamente tirou os boxers. Começamo-nos a beijar. Era demasiado óbvio o que  ia acontecer aqui. – Ah, espera! Primeiro protecção. – ele foi rapidamente buscar a carteira e tirou lá um. – Ando sempre prevenido. – não tinha muita roupa, apenas umas cuecas e um soutien que formavam o biquíni. Passado um bocado já não tinha nada. Ele beijou-me desde o pescoço até o umbigo, retomando o caminho de novo, até que parou nos lábios. – Estás pronta? – eu assenti que sim com a cabeça. – Quero que seja especial para ti.

( Rose ): Só por ser contigo, já vai ser especial. – disse. Continuámos aos beijos até  que aconteceu. Senti-me única naquele momento, melhor que nunca. Estou feliz que tenha sido com ele.

( Liam )
Estávamos no autocarro a caminho para casa, porque ficámos sem gasolina. Fui eu, a Lisa e o Niall, os restantes foram no carro do Louis. A Lisa tinha adormecido no meu colo. Ela era uma ternura. Sentia-me bem ao pé dela, fazia-me rir e podia ser eu próprio.

( Lisa )

( Niall ): Então, mano ? Quando é que admites? – disse falando para o Liam. Já tinha acordado, mas não queria que soubessem que estava acordada, para não os interromper.

( Liam ): Admitir o quê? – a sua voz era perfeita, tudo nele era perfeito. – Não estou a perceber, Niall.

( Niall ): Já deu para ver o quanto gostas da Lisa. – estive para interromper quando ouvi o meu nome, mas algo em mim me impediu. Queria mesmo que continuassem a conversa.  – Devias dizer-lhe o que sentes.

 ( Liam ): Estás maluco, Niall ? Não quero estragar a nossa preciosa amizade. Ela já se tornou bastante para mim, não quero deitar tudo  a baixo.

 ( Niall ): A vossa amizade continuará. Ela gosta de ti, também. E não mintas, Liam. Nota-se que ambos gostam um do outro.

( Liam ): Não sei, meu. Não quero precipitar as coisas. – estava aos pulinhos por dentro. Não acredito que ele gosta de mim. Tenho de agir rapidamente. – Eu nunca conheci ninguém como ela. Ela é linda. – senti as minhas maças do rosto corarem. – É tudo o que procuro numa rapariga.
( Niall ): Deves arriscar, mano.  – estava de acordo com o Niall.

( Liam ): Dizes isso, mas não te declaras à Allie. Sim, eu já reparei nos olhares que trocam. – isto já não me interessava assim tanto, mas mesmo assim…

( Niall ): Muda de assunto, muda. Liam James Payne, fica já tu sabendo que não tenho problemas em admitir que gosto da Allie. – um “ eu sabia” surgiu no meu cérebro. – Mas por enquanto, ainda não me roubou o coração completamente. – “ vai-te lixar, Niall” foi o que pensei. – Com o tempo logo saberemos.

ESPERO QUE GOSTEI. SÃO OS VOSSOS COMENTÁRIOS QUE ME INCENTIVAM A CONTINUAR COM A FIC.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

24. Capítulo


( Louis ): Culpa o Niall, não a nós. Mal tocámos na comida. Alguém não deixou. - disse apontando para o Niall.
( Niall ): Peço desculpa, meninos. Podemos sempre pedir pizzas.
( Sara ): Pedimos, mas não te damos.
( Allie ): Coitado do meu Nialler. - disse ela, corando de seguida.
( Rose ): Eu peço as pizzas. - disse, pegando no telefone de minha casa. 


( ... )


( Liam ): Okay, vocês já namoram, mas ainda falta um pequeno pormenor.
( Harry ): Qual ?
( Zayn ): Voltas para Londres, não voltas, Rose ? - ficaram todos a olhar para mim ainda com receio que respondesse negativamente.
( Rose ): Claro ! - neste instante pularam todos de alegria menos eu e o Harry. - Depois disto tudo não teria coragem de ficar aqui.
( Marge ): E ainda bem! Londres sem ti não é a mesma coisa, amiga.
( Lisa ): Lá está, afinal de contas é graças a ti que conheço os meus ídolos entre outras coisas boas.
( Niall ): Lá isso é verdade, à tua custa  conhecemos boas pessoas. - disse, sorrindo para a Allie. - neste momento alguém tocou à campainha. - Pizzas!
( Louis ): Não te esqueças que não podes comer, Niall. - disse, enquanto abria a porta para buscar as pizzas.
( Niall ): Eu pensava que vocês estavam a gozar. Isto tudo é uma brincadeira, não é? - nós acenamos que não com a cabeça. - Ok, vocês odeiam-me.
( Rose ): Desculpa, Niall. - ele olhava para mim a fazer beicinho. - Pronto, okay, uma fatia e nada mais.
( Harry ): Ei! Pensei que só não conseguias resistir ao meu beicinho. - disse triste.
( Rose ): Mas continuo a adorar-te. - disse, beijando-o.
( Louis ): Parem com o mel, pombinhos. - disse ele, fazendo-nos rir a todos.
Já viram o que a minha vida mudou ? Fui para Londres para relaxar, nada de rapazes, porém acabei por me apaixonar pelo tonto que veio contra mim no aeroporto, nada mais que um dos ídolos de uma das minhas melhores amigas. E agora, namoro com ele. Nunca pensei que isso fosse acontecer. 
Estávamos todos a falar animadamente quando ouvimos algum barulho vindo de fora. Eram ... fãs, com cartazes e tudo. Estava uma enorme multidão. Eu fui à porta ver melhor o que se passava.


( Rose ): O que se está a passar aqui ? - os gritos quase me deixavam surda.
( X ): Queremos vê-los. Sabemos que estão aqui.
( Rose ): Desculpem? Ver quem?
( XX ): OS ONE DIRECTION! DEIXA-NOS VÊ-LOS!
( Lisa ): Mas o que se passa aqui ? - disse, vindo ter comigo.
( Rose ): Elas pensam que os One Direction estão cá.
( Lisa ): O quê? Quem me dera! 
( XX ): Então eles não estão aqui ?
( Lisa ): Claro que não! Porque haveriam de estar em Portugal, principalmente numa casa de duas raparigas vulgares? - as fãs não disseram nada e foram-se embora. Reparei que lá no meio havia uma rapariga que aparentava nem 9 anos ter. Estava a chorar. Não resisti e fui ter com ela. 
( Rose ): Estás sozinha? - ela acenou que não com a cabeça. - Então?
( Criança ): A minha irmã está ali. - disse apontando para uma rapariga que estava um pouco longe. Devia ter apenas quinze anos.
( Rose ): E como se chama ?
( Criança ): Rita. - respondeu sorrindo. - Queres que a chame? - eu acenei afirmativamente com a cabeça. - Rita! Chega aqui.
( Rita ): Isa, já te disse para não falares com estranhos. - disse ela, dando a mão à irmã. - Desculpa o incómodo. - disse, dirinjindo-se a mim. 
( Rose ): Ela não incomodou. E olha, eu não devia estar a fazer isto, mas vocês são fãs deles, certo?
( Rita ): Eu não, a minha irmã é que sim. Recebemos uma mensagem a dizer que eles estavam aqui, mas enganaram-nos.
( Isa ): Sim, eu gosto muito deles, principalmente do Harry. Já reparaste nos seus caracóis? - disse com um enorme brilho nos olhos.
( Rose ): Sim, já reparei. Mas olha, eu vou-te dizer uma coisa, mas não podes dizer a ninguém, sim? - ela acenou que sim com a cabeça. - Eles estão aqui. Não perguntes porquê, mas eu vou-te deixar entrar a ti e à tua irmã para os conheces. Mas não podes contar a ninguém!  - ela assentiu com a cabeça.
( Rita ): Estás a ser muito querida em fazer isto ! - disse, com um enorme sorriso.
( Isa ): Mesmo muito. - eu sorri .- Harry! - disse, ao entrar à porta. Ele rapidamente se virou e ficou surpreendido.
( Harry ): Olá , quem és ? - disse ele baixando-se para lhe dar dois beijinhos.
( Rose ): Ela é tua fã, Harry. Deixei-a entrar a ela e à irmã.
( Isa ): Eu não estou a perceber o que vocês estão a dizer. - disse, abraçando-se a Harry. 
( Niall ): Suponho que queiras um autógrafo. - disse chegando à sala. A Isa foi ter a correr ter com ele e abraçou-lhe a perna.
( Isa ): Gosto muito de vocês. 


( ... )


Amanhã já irei estar outra vez em Londres. Como é possível que num dia mude tanta coisa como hoje ? Nunca pensei que fosse possível. Nunca pensei que finalmente podia sentir os lábios do Harry junto aos meus.


Sei que não está nada de mais, mas foi mesmo para actualizar, porque não gosto de deixar de publicar durante muito tempo ! =)

terça-feira, 1 de maio de 2012

23. Capítulo


( Harry ): Amo-te. - eu ainda não o tinha deixado de abraçar. -Ficas comigo ?
( Rose ): Vai falar com ela, Harry.
( Harry ): Vou já. - disse, largando-me. - Vou já.
( ... )
( Harry )
Nunca devia ter feito o que fiz, usei a Sara que sempre foi uma boa amiga para esquecer a Rose, quando não era preciso ter feito nada disso. Ela encontrava-se na sala de jantar a almoçar com os restantes, fui ter com ela
( Harry ): Precisamos de falar. - sussurei-lhe. Ela levantou-se de imediato com uma cara séria. É como já soubesse. - Sara, o que te vou dizer é muito estranho, mas ..
( Sara ): Eu já sei de tudo. - disse ela, interrompendo-me. Estava a olhar para ela confuso. - O Louis contou-me, Harry.
( Harry ): E não estás chateada ... ? - eu nem sei o que devia dizer naquele estranho momento.
( Sara ): Obviamente que não me estou a sentir bem, afinal de contas, usaste-me para tentar esquecer aquela que provavelmente te ama mais do que eu. E se queres ser feliz com ela, eu também quero. Sei que se calhar vais acabar comigo neste instante.
( Harry ): Sim, por acaso ... - baixei a cabeça. - Desculpa Sara.
( Sara ): Não faz mal, acho eu.
( Harry ): Continuas minha amiga? - perguntei, apesar de tudo sempre me apoiou.
( Sara ): Ó, claro que sim, Harold. Mas agora vai já ter com a Rose, diz para ela vir almoçar, porque se não o Niall come tudo, aha.
( Harry ): Obrigado. - disse, abraçando-a.
( Rose )
A minha consciência vai ficar mesmo muito pesada. E se ele não conseguir ? Eu nem sei se devia estar lá em baixo ou se deva esperar cá cima. O meu ritmo cardiaco estava a acelarar. Finalmente ele entrou. Eu levantei-me da cama, onde estava sentada. Ele olhava-me com cara de enterro.

( Rose ): Harry ? - senti pequenas cutículas de água a formarem-se nos meus olhos. Ele veio-me abraçar. - Então?
( Harry ): Acho que finalmente podes ser minha namorada.
( Rose ): Estás a falar a sério ? Mesmo a sério ? - estava tão feliz que nem sabia o que responder. - E a Sara? Ela está bem?
( Harry ): Como era de esperar ela não ficou bem, mas foi mais fácil do que esperava. Quando lá cheguei, ela sabia de tudo. - eu olhava para ele confusa. - O Louis deu com as línguas nos dentes.
( Rose ): Aquele Louis. - disse, sorrindo.
( Harry ): Então e nós, Rose ? - ele aproximou-se de mim. Não sabendo o que dizer, apenas o beijei. O beijo que era desejado por mim há longas e longas semanas.
( Rose ): Adoro-te. - acabei por lhe dizer. - Acho que já me podes chamar de namorada. - disse, mexendo nos seus cabelos encaracolados.
( Harry ): E ainda bem. - disse beijando-me de novo. - Temos é de ir para baixo.
( Rose ): Porquê ? - perguntei, espantada.
( Harry ): Deve haver pouca comida e essa não tarda nada é devorada pelo Niall. - apenas soltei uma gargalhada com a afirmação dele. - Estou feliz por te ter. - eu sorri e desci, entrelaçando as  minhas mãos com as dele.
( ... )
Quando chegámos à sala, ficaram todos a olhar para nós.
( Allie ): Finalmente !
( Marge ): Que lindos que ficam fofinhos!
( Liam ): O que é que vocês estão a dizer?
( Lisa ): Que eles os dois ficam fofinhos juntos.
( Niall ): Porquê falam em português quando estão connosco?
( Harry ): Mesmo, deixam-nos sempre à nora.
( Rose ): Sara .. - cheguei-me ao pé dela e abracei-a. - Obrigada!
( Sara ): Não tens nada que agradecer, Rose. Espero que sejam felizes.
( Harry ): E eu esperava comer, mas já vi que a comida se acabou .
( ..)

sexta-feira, 27 de abril de 2012

22. Capítulo


( Zayn ): Estás maluca, Rose? - ele veio para ao pé de mim. - Sabemos o que aconteceu, mas não vamos falar disso agora. Tens muitos amigos lá, verdade? - eu apenas acenei afirmamente com a cabeça. - Então ..
( Rose ): Peço desculpa, mas não volto. As meninas têm obrigatoriamente de ficar lá e voltarem quando quiserem, mas eu fico aqui.
( Sara ): Não sei se me deva meter, talvez não, mas eles têm saudades tuas, Rose. Quando estou lá em casa, eles falam muito de ti, por algum motivo é.
( Allie ): Sim, obrigada, Sara. - ela apenas respondeu com um sorriso. - Até parece que não te estavas a divertir lá em Londres.
( Lisa ): Andavas sempre com aquele sorrisinho parvo. - o Harry olhou para ela e ela corou. - É verdade. - a Marge deu-lhe um pontapé de leve. - Olha, se ficar mal da perna já sei a quem culpar.
( Marge ): Rose .. - eles estavam praticamente todos a olhar para mim.
( Liam ): Eu gosto muito dela, mas a Lisa não se cala a falar de ti . - disse ele, fazendo a Lisa corar.
( Niall ): E além disso, tu cozinhas bem, nós precisamos de alguém. - todos se riram.
( Louis ): Rose, depende de ti.
( Rose ): Não, depende de duas pessoas ... melhor, de três agora. - o Harry olhava para a minha figura. - Mas não querem comer nada ? Devem estar famintos. - tentei mudar de assunto.
( Niall ): Por acaso já comia qualquer coisa ..
( Rose ):  Eu vou fazer o jantar, alguém me ajuda?
( Harry ): Sim, eu vou. - estranhei a reacção dele. Não lhe respondi e fui logo para a cozinha, sentia os passos dele.
( ... )
Estava a acabar de fazer o jantar. Sentia os restantes na sala às gargalhadas, enquanto eu estava dentro de quatro paredes com o rapaz que me roubou o coração. Ainda não tinhamos establecido uma conversa, desde que aqui estamos.

( Harry ): Desculpa. - acabou por dizer ele, depois de um silêncio.
( Rose ): Passa-me o sal, por favor. Está aí à tua esquerda. - não queria falar daquele assunto.
( Harry ): Aqui está. - ele pôs-se praticamente á minha frente. - Não vais falar comigo?
( Rose ): Não há nada para falar, Harry. Quem está comprometido aqui és tu, quiseste esse rumo para a tua vida.
( Harry ): A minha vida és tu, Rose.
( Rose ): Não me digas nada, Harry. Não me digas que sou a tua vida quando tens uma namorada. Ainda tens a lata de me aparecer aqui com ela. A vossa ideia era eu voltar para Londres, certo? Pois bem, não conseguiram.
( Harry ): Ela apareceu à frente e não lhe podia dizer que não.
( Rose ): O quê?! Mas tu estás louco? Não lhe podias recusar o pedido de namoro , ou espera! Se calhar foste tu que a pediste em namoro.
( Harry ): Pensava que te conseguia esquecer.
( Rose ): Pois, temos pena. Além de me teres magoado, estás a fazê-la acreditar que é amada por ti.
( Harry ): E que queres que eu faça?
( Rose ): Não o digo por mim, digo-o por ela. Acaba por ela, quanto mais tempo, mais sofrerá ela. É só o que eu te digo, agora não me fales, Harry.
( Harry ): Eu amo-te, Rose.
( Rose ): Cala ...
( Louis ): Então, meninos? Isso demora? - o Louis interrompeu a nossa conversa.- Ali o Nialler está cheio de fome.
( Rose ): Para variar .. e não, Louis, não demora. Está quase. Vocês é que podiam por a mesa, digo eu.
( Harry ): Eu ponho, diz-me só onde está a louça. - eu não respondi, apenas apontei.
( Louis ): Não estão muito bem ... - disse, quando o Harry se afastou.
( Rose ): Ele anda com a Sara e nem gosta dela ...
( Louis ): Ele gosta mesmo muito de ti, Rose.
( Rose ): Eu também gosto de muita gente que me faz sofrer. - não consegui, as lágrimas decidiram escorrer pelo meu rosto. O Louis abraçou-me.
( Harry ): Que se passa? - perguntou preocupado, quando viu que estava a chorar.
( Louis ): Ó Harry ... - ele aproximou-se de mim.
( Rose ): Larga-me, Harry.
( Harry ): Anda lá para cima, anda.
( Rose ): Não vou!
( Louis ): Vai lá, que eu tomo conta do resto.

( ... )
Ele sentou-se numa ponta da minha cama e eu noutra. O silêncio permanecia entre nós.
( Harry ): Sei que não queres falar comigo, mas pelo menos ouve-me. A raiva apoderou-se de mim quando me disseste aquilo, quando ainda estavas em Londres. A Sara, amiga de uma prima minha, apareceu entretanto e eu já a conhecia, ela há muito que gosta de mim. Pensei que te podia esquecer, dando-lhe uma oportunidade. Pensava que era fácil tirar-te da minha mente e do meu coração, mas apercebi-me que não era. - eu estava a sorrir com o que ele tinha dito. - Eu gosto mesmo de ti. E eu sei que gostas de mim, escusas de mentir. Sei que provavelmente estás a sentir ódio por mim neste exacto momento, mas não é correspondido. Só quero poder chamar-te de " namorada ", estar contigo  todo o dia, toda a hora, sentir os teus lábios, os teus abraços ... só quero que sejas minha. - quando ele acabou de falar, estava mesmo à minha frente. - Eu acabo com a Sara, não vai ser um problema.
( Rose ): Não sei que te diga, Harry.
( Harry ): Diz que ficas comigo, por favor ...
( Rose ): A Sara, ela vai sofrer.
( Harry ): Eu sei, a culpa é toda minha, mas se eu gosto de ti e tu de mim, não compliquemos mais ...
( Rose ): A minha consciência vai ficar deveras pesada. - disse, abraçando-o.

terça-feira, 24 de abril de 2012

21. Capítulo


Novo dia. Hoje era o dia em que voltava para Portugal graças a um rapaz por quem o meu coração decidiu bater. Vesti algo mesmo confortável e fui comprar o mais rapidamente os bilhetes, para partir mais depressa. 
Mal os comprei, voltei para casa, para me despedir delas, obviamente. Já estavam acordadas, pareciam que procuravam algo, mas não sei o quê.


( Marge ): Ah, estás aqui. - disse, vindo ao meu encontro. - A Allie contou-nos tudo.
( Lisa ): Ias mesmo embora sem te despedires de nós, Rose? - perguntou, abraçando-me. - É que nem penses.
( Allie ): Quero que saibas que não concordo nada com isto, Rose. Pelo menos, volto contigo.
( Rose ): Estás maluca? Eu quero que vocês aproveitem as vossas férias aqui. Especialmente tu, Mrs. Payne.- disse, na brincadeira.
( Lisa ): Pois .. eu sei que um dia irei sê-lo.
( Marge ): Ahah, sim, claro ... - disse, a rir-se. - E tu, Rose? Já compraste o bilhete?
( Rose ): Sim ..  e parto hoje às ... - peguei no bilhete para verificar a hora. - Às duas da tarde, por isso ainda tenho duas horas para fazer as malas, por isso ... se me permitem .. 
( Allie ): Nem sabes o quanto me custa ver-te assim ... - disse ela, abraçando-me. - Não te preocupes, que te vamos fazer uma pequena visita, Rose.
( Rose ): Esperarei anciosamente ... mas agora tenho de ir fazer as malas, por isso, oupa, venham ajudar-me.
( Lisa ): Não te despedes dele ? - eu apenas olhei para ela, mas não respondi. - Nem dos restantes? 
( Marge ): Cala-te, Lisa. Vamos ajudar a Rose.
Após as malas estarem feitas, fui logo para o aeroporto. É claro que tive de de aturar as carícias da Lisa, como se fosse o fim do mundo. A Marge e a Allie sabiam que eu estava a sofrer e que se calhar isto era o melhor para mim.
( Lisa ): Dá notícias.
( Rose ): Vocês também.
( Allie ): Sabes que irei sempre apoiar-te
( Marge ): Vou ter saudades, linda.
( Rose ): Tenho mesmo de ir. - disse, ao ouvir o sinal para entrar no avião. - Adoro-vos.


Olhei para trás e só via aquelas três lindas figuras a acenarem-me com a mão como uma despedida. Entrei dentro do avião e tentei não pensar naquele rapaz que tinha roubado o meu coração..
( ... )
Quando cheguei a Portugal, fui logo para casa. Estava um pouco cansada ... Após tentar introduzir a chave na fechadura que parecia que estava chateada comigo e que não queria que eu entrasse em casa, finalmente consegui, apenas à quarta tentativa. Não havia sinal dos meus pais, mas acabei por me lembrar que eles tinham falado que iam durante duas semanas para a Irlanda, por causa da minha tia- avó que já não tinha muitos dias de vida. Pousei as minhas coisas e fui tomar um longo banho para ver se relaxava. 
( .. )
Passou-se uma semana. A minha vida durante estes sete dias tornara-se tão monótoma que me enjoei. De vez em quando lá falava com as minhas meninas. Pelo que percebi, a relação do Liam e da Lisa vai de vento em poupa, assim como a do Niall e da Allie. Quanto à Marge e ao Louis ... bem, esses não percebi . Estava a ver uma coisa no computador, quando alguém bate à porta. Desci o mais depressa possível e quando abri, não queria acreditar no que estava a ver.
( Rose ): Louis ? - perguntei deveras surpreendida. - Que fazes aqui?
( Louis ): Rose, não acredito que te foste embora e não nos disseste nada. - disse-me abraçando. - Devia estar chateado, mas não consigo.
( Rose ): Oh Louis ... - disse, puxando-o para ele entrar. - Foi o melhor, não aguentava tamanho sofrimento. E já agora .. só vieste tu?
( Louis ): Ahah, não. Veio a Marge, o Liam, a Allie, o Niall, a Lisa, o Zayn o Harry e a ... - ele fez uma longa pausa.-  e a..
( Rose ): E quem, Louis? - estava a assustar-me.
( Louis ): A Sara ... 
( Rose ): Sara? Quem é a Sara ?
( Louis ): É a namorada do Harry ... - disse ele, cabisbaixo.  O meu coração, que se estava a recompor aos poucos, partiu-se aos bocadinhos, de vez. Eu pensava que ele gostava de mim, ele disse que gostava, mas afinal de contas devia estar confuso. - Lamento, Rose. - abracei-me a ele com tamanha força, mas fomos interrompidos pelas meninas, que vieram rapidamente abraçar-me.
( Lisa ): Estás tão crescida, amor! 
( Marge ): Já sabes, não é?
( Allie ): Foi uma surpresa para todos, acredita .. - disse, beijando-me a testa.
( Rose ): Não vou falar disso ...
( Zayn e Liam ): Olá, Rose. disseram, abraçando-me.
( Rose ): Olá, meninos.
( Niall ): Também quero um abraço, mas que é isto? - disse, ele da porta.
( Rose ): Anda cá meu comilão. - abracei-o.- Melhor, agora?
( Niall ): Claro. - respondeu-me com um enorme sorriso.
( Sara ): Olá .. - disse a rapariga muito envergonhada. Devia ser a Sara, era mesmo linda.
( Harry ): Sara , Rose. Rose, é a Sara, minha namorada. - sei que já ouvi as palavras Sara e namorada na mesma frase, mas mesmo assim continua a emagar-me o coração, como se passasse um camião por cima de mim.
( Rose ): Olá, Sara. - tentei, ser o mais simpática possível.
( Zayn ): Eu sei que não estavas mesmo a contar connosco  ... provavelmente nem podemos cá ficar.
( Rose ): É claro que podem, tolo. Então .. a Marge dorme comigo no sofá.O Niall e a Allie no dos meus pais, o tu e o Louis no primeiro quarto de hóspedes, a Lisa e o Liam no segundo quarto de hóspedes, e a Sara e o namorado dormem no meu quarto.
( Harry ): Podemos dormir no sofá.
( Sara ): Claro, o quarto é teu, Rose. 
( Rose ): Não te preocupes, Sara. 
( Liam ): Mas nós queriamos pedir-te uma coisa, Rose.
( Rose ): O quê?
( Louis ): Ora bem. - disse, pondo-me o braço à volta. - Queremos que voltes! - ficaram todos a olhar para mim, menos o Harry e a Sara.
( Rose ): Não sei se deva ... 


( ...)